quinta-feira, 28 de maio de 2009

Resposta à carta sobre o Qualis encaminhada ao Presidente da CAPES


27 de maio de 2009

Ilmo. Sr.

Prof. Hussam Zaher

Museu de Zoologia da USP

Prezado Sr.

Em resposta à carta encaminhada ao Presidente da CAPES, Dr. Jorge Guimarães, a respeito da classificação de revistas de Botânica e Zoologia fazemos os seguintes esclarecimentos.

Inicialmente é equivocado afirmar que as revistas nacionais foram "rebaixadas" porque o padrão de comparação não é mais o mesmo. Isto provavelmente reflete a falta de informação sobre o sistema de avaliação e também demonstra desconhecimento sobre o histórico da área. Assim, aproveitamos para informá-lo sobre o assunto em questão.

A partir de 2001 a área das Ciências Biológicas I (CBI) adotou um procedimento no sentido de valorizar revistas nacionais porque entende que elas têm um importante papel na divulgação do conhecimento científico. Sendo assim, os Coordenadores dos Programas de Pós-Graduação em 2001 das subáreas da Botânica, Zoologia, Genética, Biologia Geral e Oceanografia, indicaram um conjunto de periódicos nacionais que passaram a ser classificados como equivalentes a produtos Qualis A Internacionais. São eles: Acta Botanica Brasilica, Brazilian Archives of Biology and Technology, Brazilian Journal of Microbiology, Brazilian Journal of Oceanography, Brazilian Journal of Plant Physiology, Genetics and Molecular Biology, Genetics and Molecular Research, Inheringia (Zoologia), Pesquisa Agropecuária Brasileira, Revista Brasileira de Botânica e Rodriguesia. Vale ressaltar que naquele ano o uso do Fator de Impacto passou a ser considerado na classificação dos periódicos, portanto, as revistas nacionais, apesar de não apresentarem o índice do FI estabelecido na época, foram reconhecidas como tal. Convém ressaltar que a escolha e indicação das revistas foi feita pelos próprios Coordenadores de Programas de Pós-Graduação.

Como resultado, houve um aumento significativo no número de artigos enviados às revistas o que permitiu para muitas delas, aumento nos respectivos índices de impacto.

A CAPES vem atuando de maneira decisiva no apoio aos principais periódicos científicos nacionais, seja diretamente com recursos, seja pela divulgação via Portal de Periódicos. Em 2008 o número de periódicos brasileiros no web of science (ISI) ultrapassou a marca de 100, um crescimento de mais de 200% no período de 2002 a 2008, permitindo um aumento significativo quanto à visibilidade internacional. Isto reflete o aumento do interesse da comunidade internacional pelos conhecimentos gerados no país.

A partir de 2008 a CAPES iniciou uma classificação de periódicos baseada em nova estratificação (A1, A2, B1, B2, B3, B4, B5). A área das Ciências Biológicas I atendeu uma antiga reinvindicação dos Coordenadores dos Programas de Pós-Graduação e criou duas Câmaras chamadas de GBG (Genética e Biologia Geral) e BOZ (Botânica, Oceanografia e Zoologia). Isto deveu-se ao fato de não ser mais possível classificar as revistas dentro da área com apenas um índice de Fator de Impacto. Assim, os periódicos da câmara BOZ foram estratificados entre si sem sofrer a influência dos periódicos

da Genética e Biologia Geral, sabidamente apresentando índices de fator de impacto mais elevados.

As revistas indicadas pelos Coordenadores (vide lista acima) foram classificadas no estrato B3, ou seja, com índices de FI variando de 0,21 a 0,42, para a câmara BOZ. Entretanto, muitas das revistas nacionais foram classificadas em estratos superiores haja vista que apresentavam FI acima da faixa indicada. Portanto, a correta classificação das revistas Acta Botânica Brasilica e Revista Brasileira de Botânica (contrariamente ao informado na correspondência anterior) não é no estrato B4, mas sim no estrato B3. Todas as revistas presentes no Scielo Brasil foram estratificadas em B4, apesar de muitas delas não apresentarem fatores de impacto. Em B5 foram classificadas as revistas sem fator de impacto que não estão presentes no Scielo e que estejam vinculadas a uma Base de dados.

É importante ressaltar o esforço implementado por várias revistas científicas brasileiras na melhoria da qualidade e na busca de indexação a Bases de Dados internacionais. Como resultado os periódicos ganharam visibilidade (nacional e internacional) que refletiram em aumento nos respectivos fatores de impacto. Assim, os periódicos foram classificados em estratos superiores ao B3 (normalmente usados para as revistas indicadas). A seguir são listados vários periódicos utilizados principalmente na câmara BOZ e suas respectivas estratificações: Neotropical Ichthyology (B1), Scientia Agricola (B1), Anais da Academia Brasileira de Ciências (B1), Neotropical Entomology (B2), Revista Brasileira de Entomologia (B2), Revista Brasileira de Zoologia (B2).

Gostaríamos ainda de esclarecer que a nova proposta de classificação para o WebQualis das Ciências Biológicas I foi discutida por uma Comissão composta por Botânicos, Zoólogos e Geneticistas. A proposta foi apresentada há cerca de um ano aos Coordenadores de Programas de Pós-Graduação da área das Ciências Biológicas I em reunião realizada em Brasília e vem sendo discutida nos mais diferentes foros, portanto,

causa-nos surpresa o teor da carta uma vez que há canais apropriados para discutir assuntos desta natureza. Ressaltamos ainda que esta Coordenação, juntamente com as anteriores, coordenadas pelos Profs. João Antonio Pegas Henriques e Adalberto Val, respectivamente, sempre estiveram abertas ao diálogo com os Coordenadores, docentes e membros da comunidade científica brasileira.

Atenciosamente,

Marcio de Castro Silva Filho Egberto Moura

Coordenador da CBI Coordenador Adjunto da CBI

Nenhum comentário: