terça-feira, 30 de junho de 2009

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Passarinhos (não são corvos nem papagaios) reconhecem pessoas rapidamente em ambiente urbano


A crescente ocupação urbana* tem levado a uma modificação no comportamento e na ecologia de diversas espéceis de animais. Algumas espécise parecem se beneficiar dessa interação enquanto outras, talvez a maioria, estão em pleno declínio. Um dos motivos do sucesso de algumas espécies em conviver com humanos, em áreas urbanizadas, é a capacidade de se adaptarem adotando estratégias novas ou exacerbando algumas características inerentes de defesa e adaptação. Os mockinbirds (Mimus polyglottos), uma espécie de sabiá norte-americano, da família Mimidae, parecem ser animais privilegiados quanto à capacidade de aprendizagem e particularmente em relação às características físicas de pessoas. Alguns desses pássaros foram observados no campus universitário da Florida (Gainesville), onde vivem em contato com centenas de transeuntes todos os dias. Os pássaros foram submetidos a um elegante experimento para testar a capacidade de se adaptarem ou reconhecerem potenciais predadores. Estudiosos expuseram esses pássaros no ninho à proximidade de uma pessoa, que extendia a mão por 15 s para a abertura do ninho, durante cinco dias, vestindo difeentes tipos de roupas. A aproximação e o gstp de ameaça duravam 90s. No sexto dia, a pessoa (o intruso) foi trocado por outra pessoa desconhecida dos pássaros. Os pássaros foram aumentando as demonstrações de agressão e de fuga a cada dia para o primeiro intruso, mas diminuíram a reação quando o segundo intruso foi introduzido. Isso demonstra que os pássaros reconheceram o primeiro intruso que significava uma ameaça. Os pássaros não generalizaram a resposta para as centenas de transeuntes que passavam próximos ao ninho (em distâncias tão curtas quanto 5 metros). Ademais, os pássaros foram menos reativos quanto mais transeuntes passavam perto de seus ninhos por dia.

Veja em :Levey et al (2009) Urban mockingbirds quickly learn to identify individual humans. PNAS, 1-4. (www.pnas.org.cgi.doi.10.1073.pnas.0811422106).

*mais de 50% da população da Terra vive em áreas urbanas; a tendência é crescente.

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Uma foto, muitas lágrimas

Foto realizada por Vanner Boere, dia 14 de junho, 11 horas, na estrada federal que liga Uberlândia a Uberaba, MG, a 1 Km da localidade denominada "Mata do Lobo". Fêmea, prenhe com mamas repletas. Morte ocorreu provavelmente na madrugada (ainda não havia rigor mortis). Poucas escoriações mas uma lesão na cabeça, provavelmente uma pancada de veículo em movimento.
Como a etologia pode contribuir para minorar esses efeitos?

terça-feira, 23 de junho de 2009

Posse responsável de animais, por etólogos



Foi publicado na Ciência Hoje, revista da SBPC, uma resenha do sócio Prof. Gelson Genaro juntamente com a Médica Veterinária Eliana Colluci, sobre a posse responsável de cães e gatos. Essa temática passou dos limites administrativos, das políticas sociais, para uma preocupação da ciência e especialmente da etologia.

Os etologistas e aspirantes a tal, deveriam estudar a relação entre donos e donas e seus cães, avaliando o que faz com que haja atração e negligência na criação de animais.

Acima estão fac-símiles do artigo publicado.

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Um pássaro que em 45 anos fez viagens entre o País de Gales e o Brasil


Em 1957, na ilha de Bardsey (País de Gales) ornitologistas marcaram um procelarídeo (Puffinus puffinus), um pássaro migratório que freqüenta a costa brasileira. São pássaros que vivem na costa (veja figura acima). Em abril de 2002 os ornitologistas descobriram que o mesmo pássaro estava vivo e voando para a América do Sul a cada inverno. Nesses 45 anos calcula-se que o pássaro tenha voado algo como cinco milhões de milhas.

Informação obtida de futilitycloset (http://www.futilitycloset.com/2009/06/17/frequent-flyer/)

Reunião da Comissão de Estudos sobre Animais da Câmara Municipal de São Paulo


Por solicitação de Patrícia Monticelli estamos divulgando esse tema:
Excepcionalmente, na próxima semana, a Comissão de Estudos sobre Animais da Câmara Municipal de São Paulo promoverá reuniões em duas manhãs: terça e quarta-feira, dias 23 e 24 de junho de 2009. A saber: CRIADORES E COMERCIANTES DE ANIMAIS SILVESTRES No dia 23, terça-feira, farão apresentações representantes dos criadores legalizados de animais silvestres e também dos comerciantes que vendem esses animais. Devem participar e palestrar, dirigentes do CBRAS – Consórcio Brasileiro de Criatórios de Aves Silvestres; da COBRAP – Confederação Brasileira de Criadores de Pássaros Nativos; e da ABRASE – Associação Brasileira de Criadores e Comerciantes de Animais Silvestres e Exóticos. Este segmento comercial solicitou aos vereadores da Comissão de Estudos, que fosse aberto espaço para que eles pudessem mostrar seu trabalho e a colaboração que - segundo afirmam - a criação legalizada oferece para o combate ao tráfico de silvestres. Atendendo à solicitação, o presidente da Comissão, vereador Roberto Tripoli, determinou a realização desta reunião-extra, que acontecerá na terça-feira, no Salão Nobre da Câmara Municipal (oitavo andar). O DRAMA DOS CIRCOS E A REDE DE DEFESA DE CURITIBA No dia 24, quarta-feira, participarão da Comissão de Estudos: 1) A presidente do GAP-Brasil, Dra. Selma Mandruca, que abordará: “O DRAMA DOS ANIMAIS EM CIRCO – MAUS TRATOS, SEGURANÇA E SAÚDE PUBLICA”. O GAP é um santuário que abriga animais (sobretudo chimpanzés) oriundos de circos e zôos. A maior parte deles sofreu maus-tratos anos a fio. 2) O dirigente da recém lançada REDE DE DEFESA E PROTEÇÃO ANIMAL DE CURITIBA, médico veterinário Dr. Marcos Traad, que exporá o programa da capital paranaense. Esta Rede é uma iniciativa do Poder Público Municipal e inclui o SIA - sistema de identificação animal, que prevê registro e identificação (com aplicação de microchip) de todos os tipos de animais que vivem com famílias naquela cidade; e também ações de educação para a propriedade responsável. Na quarta-feira, a reunião acontecerá no Plenário (primeiro andar do prédio da Câmara Municipal). As duas reuniões começam às 9 horas, prosseguindo até 12 horas, e são abertas ao público. Outros detalhes: Regina Macedo jornalista ambiental 11-9627-7187

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Codornas que aprendem são mães que controlam mais suas vidas reprodutivas


O estudo publicado ontem (17 de junho), on line, demonstra que codornas (Coturnix japonica) que aprendem a se familiarizar com um macho em um determinado ambiente , por um mecanismo e condicionamento pavloviano, ao contrário de codornas que não são condicionadas, produzem mais ovos fertilizados, com maior massa e maior quantidade de filhos do que filhas. Essa resposta se correlacionou com a condição física da fêmea: quanto mais robusta, maiores são os efeitos do aprendizado.

As fêmeas não-condicionadas, ou seja, que não puderam aprender, o maior número de ovos fertilizados dependeu do comportamento sexual dos machos não familiarizados.

Rutkowska & Adkins-Regan (2009). Learning enhances female control over reproductive investment in the Japanese quail. Proceedings of The Royal Society, 1-9.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

CARTA ABERTA À SOCIEDADE BRASILEIRA

15 de junho de 2009

No dia 20 de maio de 2009, 78 pesquisadores brasileiros representando 14 sociedades científicas, 22 programas de pós-graduação em Zoologia e Botânica e 31 revistas de Zoologia e Botânica do país manifestaram, através de carta ao Presidente da CAPES (que segue abaixo), sua preocupação quanto aos novos critérios adotados pela agência para avaliar a qualidade da produção científica nacional em Zoologia e Botânica. O sistema QUALIS, implementado por aquela instituição de fomento, tem por objetivo hierarquizar as revistas brasileiras e internacionais responsáveis pela divulgação do conhecimento científico original, servindo assim como ferramenta métrica para avaliar o desempenho dos programas de pós-graduação no Brasil. Mais recentemente, o QUALIS passou a ser empregado também pelo CNPq na avaliação do desempenho acadêmico dos pesquisadores brasileiros, tornando-se elemento central de controle dos rumos da política de produção científica nacional.

Desta forma, constatamos com grande apreensão que o sistema, estabelecido originalmente para avaliar alguns parâmetros de desempenho dos programas nacionais de pós-graduação, transformou-se nestes últimos anos em ferramenta empregada indiscriminadamente pelos órgãos de fomento à ciência e tecnologia do país para a avaliação tanto das revistas científicas nacionais, como também do desempenho dos pesquisadores brasileiros e dos seus projetos de pesquisa.

A implementação de uma política transparente e eficiente de avaliação da produção científica nacional representa objetivo comum da comunidade científica, endossado pelos signatários deste manifesto. Entretanto, entendemos que esse objetivo só pode ser alcançado de forma eficiente através da análise criteriosa dos múltiplos fatores envolvidos na produção de conhecimento e com base em consulta ampla e aberta aos pesquisadores ou aos seus legítimos representantes. Somente assim poderemos avaliar adequadamente a qualidade e a contribuição efetiva de cada periódico à ciência do país.

Cabe salientar que o recente e tão alardeado aumento da produção científica nacional foi fruto direto da inclusão de um número significativo de revistas nacionais nas bases de dados gerenciadas no exterior e não exatamente do aumento linear de artigos publicados em revistas internacionais. A extinção de muitas revistas brasileiras, através do gargalo orçamentário produzido pelo QUALIS, representaria, desta forma, sério fator de ameaça da inserção da produção científica nacional no âmbito internacional. Neste sentido, verificamos que o edital conjunto de fomento às revistas científicas oferecido anualmente pelo CNPq e pela CAPES, assim como o programa SciELO implantado pela BIREME e financiado pela FAPESP, têm atuado efetivamente na inserção internacional da nossa produção científica ao estimular a visibilidade e competitividade das revistas nacionais.

Em flagrante contraponto à sua própria política de incentivo às publicações brasileiras, o sistema QUALIS da CAPES promove um processo gradual de desagregação do nosso conjunto de revistas de qualidade das áreas de Zoologia e Botânica, que deverá restringir em curto prazo os meios de comunicação da comunidade científica nacional. Vale aqui exemplificar. Embora sejamos o país líder mundial em biodiversidade, a imensa maioria das revistas nacionais que veicula descrições de espécies novas da nossa biota está classificada como B4 e B5, os níveis mais baixos de qualidade do QUALIS, e nenhum de nossos periódicos internacionais que veiculam artigos da mesma natureza ocupa lugar de destaque no sistema de avaliação da agência. Isso significa que, para a CAPES, o trabalho desses cientistas não representa contribuição importante para a ciência do país, apesar dessa atividade ser considerada da maior urgência e relevância por inúmeras organizações internacionais.

Em nossa opinião, o erro está no uso pelo QUALIS de uma sistemática de avaliação simplista e altamente falível por se pautar em um único parâmetro métrico, o do fator de impacto (FI) calculado pela empresa Thomson-Reuters, índice este cada vez mais questionado no âmbito internacional (Ewing, 2006; Milman, 2006; JCQAR, 2008). Os motivos que levaram à escolha do FI como único parâmetro de avaliação ainda não são claros, já que essa questão foi pouco discutida no âmbito da comunidade científica. Após 11 anos da implantação do sistema, não parece haver, tampouco, preocupação em melhorá-lo com a implantação gradual de novos parâmetros de avaliação que minimizem os efeitos mais nefastos de um sistema polarizado no FI. Os sérios desvios acarretados por esse sistema já foram observados para a área de Química no Brasil, onde há grande disparidade na visibilidade das inovações de cada disciplina (Andrade & Galembeck, 2009). Esta mesma especificidade é observada nas áreas de Botânica e Zoologia, onde uma revista especializada na publicação de artigos taxonômicos dificilmente atingirá o FI de uma revista focada na apresentação de resultados moleculares. Entretanto, isso não significa que uma disciplina seja mais relevante ou produza artigos de maior qualidade que a outra. Os critérios que regem disciplinas importantes, como a da taxonomia que se encarrega de descrever a biodiversidade mundial, já foram identificados (Krell, 2002) e poderiam ser adequadamente considerados dentro de sistemas de avaliação com critérios múltiplos.

Infelizmente, a CAPES tem demonstrado grande resistência em fomentar uma discussão ampla sobre mecanismos alternativos de avaliação que levem em consideração as especificidades das áreas de Botânica e Zoologia. Esta constatação fica evidente na carta elaborada pelos coordenadores da área de Ciências Biológicas I (que segue abaixo) para responder ao documento enviado por nós ao presidente da CAPES. Não houve manifestação da presidência do órgão, mesmo tendo a carta original sido a ela dirigida. A afirmação por parte dos coordenadores de que a nova proposta beneficiou-se de ampla discussão é surpreendente. Não se tem registro de nenhuma consulta feita aos editores de revistas, nem tampouco às sociedades científicas das áreas de Botânica e Zoologia. Também não há registro de um processo de eleição de pares que tenha levado à criação da "Comissão composta por Botânicos, Zoólogos e Geneticistas" à qual se referem na carta. Por outro lado, o documento encaminhado ao presidente da CAPES está assinado por 78 pesquisadores, entre coordenadores de cursos de pós-graduação, editores de revistas e presidentes de sociedades, o que sinaliza claramente para a necessidade de mais discussão acerca do novo QUALIS. O argumento de que os coordenadores de pós-graduação tiveram acesso à nova proposta e puderam discuti-la parece também comprometido, já que 22 deles assinam o documento.

Lamentamos que nossos argumentos e sugestões não tenham sido considerados na resposta dos coordenadores, que se concentraram apenas na defesa veemente dos critérios vigentes e impostos pelo grupo que decidiu implantar o novo QUALIS, não acrescentando nada à discussão. O objetivo da nossa iniciativa era externar nossa preocupação quanto aos procedimentos do QUALIS, na esperança de abrir um canal de comunicação entre a CAPES e uma parcela significativa da comunidade científica de Botânica e Zoologia, representada pelos signatários do documento. Ao contrário de respostas evasivas, esperamos a apresentação de argumentos e análises que demonstrem que os procedimentos adotados pela CAPES são benéficos para a melhoria da qualidade da ciência feita no Brasil. Argumentos que indiquem que as medidas adotadas para o incremento da pós-graduação nacional não terão consequências nefastas sobre o sistema nacional instalado de divulgação do conhecimento científico. Por esta razão, reiteramos aqui a necessidade de que haja um esforço por parte da CAPES em estabelecer um diálogo produtivo, inserindo-o dentro do espírito de intercâmbio de idéias e críticas construtivas que sempre norteou nossa comunidade científica.

Este manifesto foi endossado e segue assinado por 110 pesquisadores brasileiros representando 14 sociedades científicas brasileiras, 23 Programas de Pós-Graduação em Zoologia e Botânica e 42 revistas nacionais e internacionais de Zoologia e Botânica.

Resposta a este manifesto deve ser encaminhada ao Dr. Rodney Ramiro Cavichioli, Coordenador do Fórum das Sociedades Científicas Brasileiras de Zoologia e Presidente da Sociedade Brasileira de Zoologia (email: presidente@sbzoologia.org.br), representando os signatários do documento.

REFERÊNCIAS CITADAS

Frank-Thorsten Krell, 2002. Why impact factors don’t work for taxonomy. Nature 415: 957.

Hanne Andersen et al., 2009. Journals under threat: a joint response from history of science, technology, and medicine editors. Science in Context 22 (1): 1-4 (www.mitpressjournals.org/doi/abs/10.1162/posc.2009.17.1.1).

Jailson de Andrade & Fernando Galembeck, 2009. QUALIS: Quo Vadis? Quimica Nova 32 (1): 5 (www.scielo.br/scielo.php?script=sci_pdf&pid=S0100-40422009000100001&lng=en&nrm=iso&tlng=pt)

John Ewing, 2006. Measuring journals, Notices of AMS 53(9): 1049–1053 (www.ams.org/notices/200609/comm-ewing.pdf).

Joint Committee on Quantitative Assessment of Research, 2008. Citation Statistics: a report from the International Mathematical Union in cooperation with the International Council of Industrial and Applied Mathematics and the Institute of Mathematical Statistics, 26 pp. (www.mathunion.org/fileadmin/IMU/Report/CitationStatistics.pdf).

Vitali Milman, 2006. Impact factor and how it relates to quality of journals, Notices of AMS 53(3): 351–352 (www.ams.org/notices/200603/comm-milman.pdf).

__________________________________________________________________________

ASSINATURAS (lista alfabética):

Dr. Adelmar Gomes Bandeira, Ex-Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Zoologia) da Universidade Federal da Paraíba bandeira@dse.ufpb.br

Dr. Alessandro Rapini, Editor de Área da revista Rodriguésia rapinibot@yahoo.com.br

Dr. Alexandre Reis Percequillo, Editor de área da revista Biota Neotropica (Mammalia) percequi@esalq.usp.br

Dra. Ana Lucia Prudente, Vice-Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Zoologia do Museu Paraense Emílio Goeldi prudente@museu-goeldi.br

Dra. Anna Luiza Ilkiu Borges, Editora Científica do Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi – Ciências Naturais e Vice-Coordenadora do Programa de Botânica da Universidade Federal Rural da Amazônia / Museu Paraense Emílio Goeldi ilkiuborges@yahoo.com.br boletim@museu-goeldi.br

Dr. Antonio Domingos Brescovit, Curador Substituto de Arachnida e Miriápoda do Instituto Butantan, anyphaenidae@butantan.gov.br

Dr. Antonio Salatino, Membro da Comissão Editorial de Boletim de Botânica da Universidade de São Paulo asalatin@ib.usp.br

Dr. Benedito Barraviera, Editor da revista Journal of Venomous Animals and Toxins e Presidente da Associação Brasileira de Editores Científicos (ABEC) bbviera@gnosis.com.br

Dr. Carlo Magenta Cunha, Editor da revista Strombus carlomagenta@gmail.com

Dr. Carlos Alberto Gonçalves da Cruz, Editor Associado da revista South American Journal of Herpetology cagcruz@uol.com.br

Dr. Carlos Roberto F. Brandão, Presidente do Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Museus, ex-Diretor do Museu de Zoologia da USP e ex-Editor das revistas científicas do Museu de Zoologia crfbrand@usp.br

Dr. Carlos Arturo Navas Iannini, Editor Associado da revista South American Journal of Herpetology navas@usp.br

Sr. Carlos Henckes, Presidente da Sociedade de Conquiliologistas do Brasil carlos@femorale.com

Dr. Carlos A. Joly, Editor da revista Biota Neotropica cjoly@unicamp.br

Dr. Carlos Henke de Oliveira, Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Ecologia/URI ecologia@uricer.edu.br

Dr. Carlos J. E. Lamas, Co-Editor das publicações do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo einicker@usp.br

Dr. Claudio José Barros de Carvalho, Editor da Revista Brasileira de Entomologia cjbcarva@ufpr.br rbe@ufpr.br

Dra. Clarice Bernhardt Fialho, Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal da Universidade Federal do Rio Grande do Sul cbfialho@pro.via-rs.com.br

Dr. Clóvis Barreira e Castro, Curador da Coleção de Cnidaria do Museu Nacional/UFRJ clovis.castro@coralvivo.org.br

Dra. Christine Strussmann, Editora Associada da revista Phyllomedusa - Journal of Herpetology christine@ufmt.br

Dr. Cristiano Nogueira, Editor Associado da Revista Biota Neotropica c.nogueira@conservacao.org

Dra. Cynthia P. A. Prado, Editora de Área da revista Cuadernos de Herpetología cyn_prado@yahoo.com.br

Dr. Dalton de Souza Amorim, Editor da revista Neotropical Diptera dsamorim@usp.br

Dra. Débora de Oliveira Pires, Curador da Coleção de Cnidaria do Museu Nacional/UFRJ e Editora de Área das Publicações do Museu Nacional/UFRJ debora.pires@coralvivo.org.br

Dra. Denise de Cerqueira Rossa Feres, Curadora da Coleção Científica de Amphibia da UNESP de São José do Rio Preto denise@ibilce.unesp.br

Dr. Eduardo A. B. Almeida, Editor de Área das revistas Zootaxa e Revista Brasileira de Entomologia (Hymenoptera) eduardo.almeida@ufabc.edu.br

Dra. Eliza Maria Xavier Freire, Curadora da Coleção Herpetológica da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Vice-Coordenadora do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente da Universidade Federal do Rio Grande do Norte elizajuju@ufrnet.br

Dra. Erika Hingst-Zaher, Editora do Boletim da Sociedade Brasileira de Mastozoologia hingstz@usp.br

Dr. Eurico Cabral de Oliveira Filho, Curador do Herbário Ficológico do Depto de Botânica, IB, USP euricodo@usp.br

Dr. Francisco Langeani, Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal da Universidade Estadual Paulista, Campus de São José do Rio Preto langeani@ibilce.unesp.br

Dr. Francisco Luis Franco, Curador da Coleção de Herpetologia do Instituto Butantan e Membro do Corpo Editorial da revista Salamandra flfranco@butantan.gov.br

Dr. Gregório Cardoso Tápias Ceccantini, Curador da Xiloteca do Departamento de Botânica do IB, Universidade de São Paulo, gregorio@usp.br

Dra. Helenice Mercier, Coordenadora do Programa de Pós-graduação em Botânica do IB da Universidade de São Paulo hmercier@usp.br

Dr. Hussam Zaher, Editor das publicações do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo hzaher@usp.br

Dra. Ima Célia Guimarães Vieira, Diretora do Museu Paraense Emilio Goeldi/MCT ima@museu-goeldi.br

Dr. Iury Accordi, Presidente da Sociedade Brasileira de Ornitologia presidencia.sbo@ararajuba.org.br

Dr. Jaime Bertoluci, Editor-Chefe da revista Phyllomedusa – Journal of Herpetology bertoluc@esalq.usp.br

Dr. Jefferson Prado, Ex-Editor Chefe da Revista Brasileira de Botânica e da Acta Botanica Brasilica, atualmente Editor de Área do Boletín de la Sociedad Argentina de Botánica jprado.01@uol.com.br

Dr. João Alves de Oliveira, Curador da Coleção de Mastozoologia do Museu Nacional/UFRJ, Membro do Comitê Editorial das Publicações do Museu Nacional/UFRJ jaoliv@mn.ufrj.br

Dr. João Ubiratan Moreira dos Santos, Coordenador do Programa de Ciências Biológicas (Botânica) da Universidade Federal Rural da Amazônia / Museu Paraense Emílio Goeldi bira@pesquisador.cnpq.br

Dr. José Albertino Rafael, Editor de Área da Revista Brasileira de Entomologia jarafael@inpa.gov.br

Dr. José Rubens Pirani, Chefe do Departamento de Botânica do IB da Universidade de São Paulo, Editor-responsável do Boletim de Botânica da USP pirani@usp.br

Dr. Jorge Reppold Marinho, Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Ecologia/URI ecologia@uricer.edu.br

Dr. Leandro Ferreira, Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais da Universidade Federal do Pará / Museu Paraense Emílio Goeldi lvferreira@museu-goeldi.br

Dr. Leandro de Oliveira Salles, Presidente da Associação Memoria Naturalis (AMNAT) losalles@mn.ufrj.br

Dra. Lucia Fransozo, Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Zoologia da Universidade Estadual Paulista, Campus de Botucatu mlnf@ibb.unesp.br

Dra. Lúcia Massutti de Almeida, Presidente da Sociedade Brasileira de Entomologia lalmeida@ufpr.br

Dra. Luciane Marinoni, Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Entomologia) da Universidade Federal do Paraná lmarinoni@ufpr.br

Dr. Luciano Paganucci de Queiroz, Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Botânica da Universidade Estadual de Feira de Santana lqueiroz@uefs.br

Dr. Luis Fábio Silveira, Editor da Revista Brasileira de Ornitologia lfsilvei@usp.br

Dr. Luiz Ricardo L. Simone, Curador da Coleção de Malacologia do Museu de Zoologia da USP e Membro do Comitê editorial da revista Strombus lrsimone@usp.br

Ms. Magno Segalla, Presidente da Sociedade Brasileira de Herpetologia e Editor da revista South American Journal of Herpetology msegalla@gmail.com

Dr. Marccus Alves, ex-Coordenador (2003-2007) do Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal da Universidade Federal de Pernambuco; Editor da Área de Taxonomia da Revista Rodriguésia sedges@terra.com.br

Dra. Marcela L. Monné, Editora de Área da Revista Brasileira de Entomologia e das publicações do Museu Nacional/UFRJ mlmonne@uol.com.br

Dr. Marcelo Felgueiras Napoli, Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Diversidade Animal da Universidade Federal da Bahia napoli@ufba.br

Dr. Marcelo Hermes, Co-Editor das revistas PloS ONE e Comparative Biochemistry and Physiology iluminismo.unb@gmail.com

Dr. Marcelo Maisonette Duarte, Editor da revista Iheringia Série Zoologia marcelo@fzb.rs.gov.br

Dr. Marcelo Rodrigues de Carvalho, Editor de Área (Pisces) da revista Zootaxa mrcarvalho@ib.usp.br

Dr. Marcelo Tavares, Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Zoologia) (PPGBAN) da Universidade Federal do Espírito Santo tavares.mt@gmail.com

Dr. Marcio Roberto Costa Martins, Editor Associado da revista South American Journal of Herpetology jararaca@ib.usp.br

Dr. Marcos André de Carvalho, Curador da Coleção de Vertebrados da Universidade Federal do Mato Grosso marcos.mac@gmail.com

Dr. Marcos D. S. Tavares, Editor da revista Nauplius mdst@usp.br

Dra. Maria Cristina dos Santos Costa, Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Zoologia da Universidade Federal do Pará / Museu Paraense Emílio Goeldi pgzool_coord@museu-goeldi.br

Dra. Maria das Graças Lapa Wanderley, Editora da Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo, Instituto de Botânica, São Paulo gracaw@terra.com.br

Dra. Maria Laene Moreira Carvalho, Editora da Revista Brasileira de Sementes mlaene@gmail.com

Dra. Maria Margarida da Rocha Fiuza de Melo, Vice-Presidente da Sociedade Brasileira de Botânica, Editora-Chefe da Acta Botanica Brasilica e Editora Responsável pela Flora Fanerogâmida da Ilha do Cardoso margaridamelo@terra.com.br

Dr. Marinus Hoogmoed, ex-Editor do Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi – Ciências Naturais marinus@museu-goeldi.br

Dr. Mario de Vivo, Curador da Coleção de Mastozoologia e Membro do Corpo Editorial da revista Papéis Avulsos de Zoologia mdvivo@usp.br

Dr. Martín R. Alvarez, Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Zoologia da Universidade Estadual de Santa Cruz malva@uesc.br

Dr. Miguel Angel Monné Barrios, Ex-Vice-Diretor do Museu Nacional/UFRJ e Editor das publicações do Museu Nacional/UFRJ monne@uol.com.br

Dr. Miguel T. U. Rodrigues, Ex-Diretor do Museu de Zoologia da USP mturodri@usp.br

Dr. Milton Groppo, Editor da revista Acta Botanica Brasilica. Departamento de Biologia, FFCLRP-USP (Ribeirão Preto, SP) groppo@ffclrp.usp.br

Dr. Naércio Aquino de Menezes, Membro do Advisory Board do Brazilian Journal of Biology naercio@usp.br

Dra. Nanuza Luiza de Menezes, Membro da Comissão Editorial de Boletim de Botânica da USP nanuzalm@usp.br

Dr. Nelson Jorge da Silva Jr., Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais e Saúde da Universidade Católica de Goiás njsj@ucg.br

Dr. Nelson Papavero, Co-Editor da revista Neotropical Diptera nelsonpapavero@gmail.com

Dr. Nelson Rodrigues Sanjad, Diretor da Coordenação de Comunicação e Extensão do Museu Paraense Emílio Goeldi e Editor Científico do Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi – Ciências Humanas nsanjad@museu-goeldi.br

Dr. Nilson Gabas Jr., Diretor de Pesquisa e Pós-Graduação do Museu Paraense Emílio Goeldi gabas@museu-goeldi.br

Dr. Niro Higuchi, Editor da revista Acta Amazonica higuchin@uol.com.br

Dra. Paula Beatriz de Araujo, Presidente da Sociedade Brasileira de Carcinologia pbaraujo@portoweb.com.br

Dr. Paulo Sergio D'Andrea, Presidente da Sociedade Brasileira de Mastozoologia dandrea@ioc.fiocruz.br

Dr. Paulo Günter Windisch, Presidente da Sociedade Botânica do Brasil, SBB, pteridos@gmail.com

Dra. Rafaela Campostrini Forzza, Curadora do Herbário do Jardim Botânico do Rio de Janeiro rafaela@jbrj.gov.br

Dr. Reginaldo Constantino, Editor Associado da revista Zootaxa, constant@unb.br

Dr. Renato Neves Feio, Curador da Coleção de Herpetologia do Museu de Zoologia da Universidade Federal de Viçosa rfeio@ufv.br

Dr. Renato de Mello-Silva, Curador do Herbário do Departamento de Botânica do IB, Universidade de São Paulo mellosil@usp.br

Dr. Ricardo J. Sawaya, Editor de Área da revista CHECKLIST - Journal of Species Lists and Distribution sawaya@butantan.gov.br

Dr. Robson Tamar da Costa Ramos, Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Zoologia) (PPGCB-UFPB) da Universidade Federal da Paraíba robtamar@dse.ufpb.br

Dr. Rodney Ramiro Cavichioli, Presidente da Sociedade Brasileira de Zoologia e Coordenador do Fórum das Sociedades Científicas Brasileiras de Zoologia cavich@ufpr.br

Dr. Rogério Pereira Bastos, Curador da Seção de Herpetologia da Coleção Zoológica da Universidade Federal de Goiás rogerio@persogo.com.br

Dra. Rosaly Ale Rocha, Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Entomologia do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia – INPA alerocha@inpa.gov.br

Dr. Rosana Moreira da Rocha, Editora Associada da revista Biota Neotropica rmrocha@ufpr.br

Dra. Rozane Maria Restello, Vice-coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ecologia/URI e Editora da Revista Perspectiva revistaperspectiva@uricer.edu.br

Dr. Rudi Weiblen, Editor da revista Ciência Rural cienciarural@mail.ufsm.br rudiweiblen@gmail.com

Dr. Rui Cerqueira, Editor Chefe do Boletim da Sociedade Brasileira de Mastozoologia rui@biologia.ufrj.br

Dr. Sergio Alex K. de Azevedo, Diretor do Museu Nacional/UFRJ sazevedo@mn.ufrj.br

Dr. Sergio A. Vanin, Diretor do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo savanin@ib.usp.br

Dr. Silvio Shigueo Nihei, Editor de Área da Revista Brasileira de Entomologia, Editor Associado da Biogeography & Systematics silvionihei@ib.usp.br

Dra. Sonia Barbosa dos Santos, Presidente da Sociedade Brasileira de Malacologia gundlachia@yahoo.com.br

Dra. Taciana Barbosa Cavalcanti, Chefe de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Editora da Área de Fanerógamas da Acta Botanica Brasilica taciana@cenargen.embrapa.br chpd@cenargen.embrapa.br

Dra. Takako Matsumura Tundisi, Editora da revista Brazilian Journal of Biology bjb@bjb.com.br takako@iie.com.br

Dr. Taran Grant, Curador da Coleção de Herpetologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Membro do Corpo Editorial da revista Copeia taran.grant@pucrs.br

Dra. Teresa Cristina Sauer de Avila-Pires, Ex-Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Zoologia da Universidade Federal do Pará / Museu Paraense Emílio Goeldi e Membro do Corpo Editorial da revista Phyllomedusa avilapires@museu-goeldi.br

Dr. Ubirajara Ribeiro Martins de Souza, ex-Editor-Chefe da Revista Brasileira de Entomologia urmsouza@usp.br

Dr. Ulisses Caramaschi, Ex-Vice-Diretor do Museu Nacional/UFRJ e Editor das publicações do Museu Nacional/UFRJ ulisses@acd.ufrj.br

Prof. Dr. Vanner Boere, Presidente da Sociedade Brasileira de Etologia vannerboere@uol.com.br

Dr. Walter Boeger, Editor da revista ZOOLOGIA (antiga Revista Brasileira de Zoologia) wboeger@ufpr.br

Dr. Yuri L. R. Leite, Editor da revista Boletim do Museu de Biologia Mello Leitão yleite@gmail.com

Dra. Zelinda Maria Braga Hirano, Presidente da Sociedade Brasileira de Primatologia zehirano@hotmail.com

Dra. Zilá Luz Paulino Simões, Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Entomologia da FFCLRP-USP zlpsimoe@usp.br