segunda-feira, 1 de junho de 2009

Fernando de Noronha ameaçada por um exército de alienígenas, o Terrível Império dos Plásticos


A postagem não é diretamente sobre etologia, mas é um dado importante em ecologia que pode gerar estudos na área do comportamento. Trata-se de um estudo publicado on line ontem, de pesquisadoras brasileiras do Laboratório de Ecologia e Manejo de Ecossistemas Estuarinos e Costeiros – LEGECE, do Departamento de Oceanografia da Universidade Federal de Pernambuco. As pesquisadoras verificaram durante alguns meses os fragmentos não minerais depositados nas areias das principais praias da Ilha de Fernando de Noronha. Compararam o tipo e tamnaho de fragmento, especialmente aqueles de origem plástica, nas prais de dentro (sem mar aberto) e nas praias de fora (mar aberto). A maior parte dos fragmentos não minerais (88%) eram de origem plástica. Dois achados impressionam: a maior parte dos fragmentos tem menos que 20 mm de tamanho, quase imperceptível; e 23% são fragmentos plásticos "virgens" (não processados). As praias de fora foram as mais atingidas. Apenas em duas praias não foram encontrados fragmentos: do Bode e do Porto. As autoras sugerem que os fragmentos são trazidos por correntes marinhas; e que toda a vida marinha, todos os organismos que possam ingerir esses pequeníssimos fragmentos plásticos, podem ser afetados porém não há estudos sobre isso (olha a etologia ou ecologia comportamental faltando aí!).

Vale a pena ler o artigo: Ivar do Sul, J.A., et al. Here, there and everywhere. Small plastic fragments and pellets on beaches of Fernando de Noronha (Equatorial Western Atlantic). Mar. Pollut. Bull. (2009), doi:10.1016/j.marpolbul.2009.05.004.

Um detalhe: observem a engenhosa construção da Figura 2, com o destaque dos resultados com a quantiadade de debris encontrados.

Nenhum comentário: